EUROPA

EUROPA
Descobrindo o "Antigo Continente"

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

PARIS

Paris

Nasci para flanar
A receita é antiga, mas dá tão certo que vale a pena ser repassada, mesmo sob o risco de soar redundante. Para aproveitar Paris ao máximo, basta lançar mão do mais parisiense dos verbos: flâner. No caminho é impossível não topar com cartões-postais - que ficam ainda mais inesquecíveis quando aparecem sem avisar. Mas, veja bem: Paris não está apenas nas visões grandiosas. Está nos mercadinhos, nos cafés fuleiros e sobretudo na incrível noção de elegância que todos parecem compartilhar. E, quanto à famosa rispidez dos parisienses, responda "Bonjour, madame" ou "Bonjour, monsieur" a cada bom-dia que receber nas lojas e nos restaurantes, e vai ver como a sua percepção vai mudar.

Navigo ou Carnet? Chegando à cidade numa segunda ou numa terça-feira, faça um cartão Navigo Découverte. O plástico custa 5 euros e pode ser carregado com o passe semanal Carte Orange, que sai por 16,80 euros e dá direito a viagens ilimitadas até o domingo seguinte. Outra boa pedida é o Carnet 10 Voyages - você compra de uma vez dez tíquetes por 11,40 euros.

Paris Museum Pass Simplesmente o melhor da Europa. Há versões de dois (32 euros), quatro (48 euros) e seis dias corridos (64 euros). Mesmo o mais curto vale a pena - porque deixa você furar a fila de uma hora e meia em Versalhes. parismuseumpass.com.

Pequenos Achados Uma rede de hotéis com ótimo custo/benefício é a Timhotel (timhotel.com; diárias desde € 95; Cc: A, D, M, V). O Timhotel Louvre é bem localizado para turistar; o Timhotel Montmartre vale para se sentir no universo de Amélie Poulain. O Victoria Châtelet (hovicha.com; diárias desde € 96; Cc: A, M, V), a uma quadra do Sena, tem atendimento em português. Vizinho de uma pracinha no Marais, tente o Jeanne D'Arc (hoteljeannedarc.com; diárias desde € 90; Cc: M, V).
Vai alugar? Paris é dividida em 20 bairros numerados, os arrondissements. Dê preferência aos de número 1 a 6, que são os mais centrais (os centralíssimos são o 1 e o 2). nyhabitat.com/paris e parisattitude.com.

Prêt-à-Manger Almoçar sempre é mais em conta; não é difícil achar menus de dois ou três pratos por menos de 25 euros. Padarias, mercadinhos e supermercados são um convite ao piquenique (ou à farofa no quarto do hotel). Não há quebra-galho mais francês do que as crepes ali da esquina (experimente a versão com trigo-sarraceno e recheio salgado, as gallettes).

Bonne Soirée Não fez reserva para jantar? O que não falta em Paris são brasseries, restaurantes grandes e informais. A Pied de Cochon (6 rue Coquillère, 01-40-13-77-00; Cc: A, D, M, V) funciona 24 horas; sua sopa de cebola (gratinée) custa apenas 7 euros e é a grande pedida da madrugada. Na rue Tiquetonne, perto de Les Halles, experimente os grelhados com múltiplos acompanhamentos do Le Loup Blanc (nº 42, 01-40-13-08-35; Cc: A, D, M, V). Na rue Butte aux Cailles, num cantinho pitoresco do 13º arrondissement, entre na fila do Le Temps des Cerises (no 45, 01-45-89-69- 48; Cc: A, M, V). Procurando alta gastronomia a preços módicos? O estrelado chef Christian Costant abriu um bistrô moderno que serve grandes pratos em panelinhas, ou cocottes; o lugar se chama Les Cocottes (135 rue St.-Dominique, 01-45-50-10-31; Cc: A, V), fica perto da Torre Eiffel e não aceita reservas.

Bate-volta Dá para ir de metrô ao castelo de Vincennes. De trem, o castelo de Chantilly está a meia hora, e o de Fontainebleau, a 35 minutos. O TGV deixou Reims, na Champagne, a meros 40 minutos. Bruxelas está a 1h20, e Bruges, a duas horas e meia.

Seguindo viagem Vale do Loire, Mont St.-Michel e Normandia cabem direitinho numa viagem de carro de sete a dez dias. Querendo ir para o sul da França, pegue um TGV até Avignon ou Aix e só então alugue um carro. Para Londres ou Amsterdã, prefira trem.

Nenhum comentário: