EUROPA

EUROPA
Descobrindo o "Antigo Continente"

sábado, 26 de setembro de 2009

NATIONAL GALLERY (LONDRES)


Galeria Nacional de Londres (em inglês The National Gallery), fundada em 1824, é um dos mais importantes museus da Europa e um dos mais conhecidos do mundo. Localiza-se na Trafalgar Square, no centro de Londres, e abriga uma preciosa coleção de mais de 2.300 pinturas, que datam desde a metade do século XIII até o início do século XX. É um museu público e as visitas ao acervo permanente são gratuitas.
O acervo contém algumas das obras mais importantes, raras e emblemáticas da História da Arte, de artistas como Leonardo da Vinci, Botticelli, Caravaggio, Rembrandt, Jan van Eyck, Rubens, Vermeer, Thomas Gainsborough, Turner, Renoir, Monet, Van Gogh, Toulouse-Lautrec, Gauguin, Degas, Manet, Berthe Morisot e Picasso. Vale destacar também a monumentalidade do edifício e a conservação das peças.


O INÍCIO:

Em Abril de 1824 a House of Commons estabeleceu um acordo para a compra de uma mansão e de toda a colecção de arte do famoso e ilustre banqueiro John Julius Angerstein, por 57.000 libras.
As 38 pinturas constituintes do acervo, vistas como o núcleo central da nova colecção nacional para a educação e entretenimento comum, antes da construção de um novo edifício que as albergasse, juntamente com centenas de outras pinturas já pertencentes ao Estado permaneceram expostas ao público na mansão também adquirida, em Pall Mall.


Uma nova morada para a colecção
As árduas críticas à conservação inadequada da colecção levaram à decisão de construir um edifício propositadamente erguido para albergar uma grande colecção, que viria a aumentar posteriormente, e os seus muitos visitantes.
Assim, foi um local escolhido, sendo este em plena Trafalgar Square. Foram feitas várias vias de acesso e os acessos de comboio ao local foram facilitados. Os moradores ricos da zona oeste da cidade tinham oportunidade de visitar o local indo de comboio e, com a construção de passeios públicos largos, a ecléctica sociedade da parte sul e este de Londres poderia percorrer o trajecto a pé, comodamente.


A criação de um museu para todos
Inicialmente, o museu era visitado pela elite inglesa, mas assim que as notícias da construção de um edifício monumental para albergar uma colecção riquíssima soaram pela Europa e pelos EUA, a alta sociedade internacional ali caiu em peso.
Prontamente o Estado fez questão de alargar o número de visitantes e permitiu a entrada a todas as classes sociais e assim era frequente encontrar uma duquesa ao lado de uma vendedora de flores. O governo britânico e os curadores do museu mantiveram essa perspectiva cultural e muitos jovens de classes sociais menos abastadas são formados em Artes pela instituição.


A Segunda Guerra Mundial
Durante a Segunda Guerra Mundial, devido ao perigo iminente de bombardeamentos na cidade

de Londres, numa quarta-feira, 23 de Agosto de 1939, a Galeria Nacional fechou as suas portas ao público, de forma a evacuar todas as pinturas para um local seguro e secreto.
As principais obras foram retidas em Gales enquanto alguns quadros menores foram abrigados na Gloucestershire. Outros, muito poucos, foram deixados em casas particulares ou edifícios públicos fora da cidade, evidentemente. Toda esta operação foi concluída com sucesso em somente onze dias, tendo a última remessa de obras saído de Trafalgar Square no dia 2 de Setembro do mesmo ano.
Com a iminência da guerra a conquista da França em Maio de 1940, todo o Reino Unido estava a ser bombardeado e as pinturas ficaram outra vez em perigo. Os curadores do museu negociaram o transporte para o Canadá, ideia que Churchill vetou, visto que não queria que nenhuma das pinturas saísse do continente europeu.
A Galeria Nacional foi afectada pela primeira vez em 12 de Outubro, o que destruiu uma das salas, mas os danos foram pouco significativos. A segunda bomba afectou a biblioteca e arrasou um dos pátios, porém, ao contrário da primeira, não causou vítimas mortais nem feridos. Ao final

da Segunda Grande Guerra, nenhuma pintura fora afectada.


O edifício que atualmente alberga o museu, na Trafalgar Square, foi construído sobre os escombros de uma mansão de nome Carlton House. Os arquitectos da Galeria Nacional, com pena de derrubar os gigantescos e impressionantes colunas e pórticos italianos da mansão londrina, decidiram conservá-los e hoje formam as entradas principais do museu.
Este facto favoreceu os planos dos arquitectos, visto que estes tencionavam construir um edifício neoclássico, cuja monumentalidade fosse notável e incontestável.
Em 1868 a construção do museu foi iniciada, glorificando as elegantes colunas com uma enorme cúpula, de grandes dimensões. Em 1876 e em 1907 o edifício foi aumentado, e, neste último ano, foram acrescentadas ao edifício cinco novas galerias.
No seu interior, o edifício conserva ainda o típico estilo inglês dos finais do século XIX, confinando-se a uma elegância rude e por vezes austera. Nalgumas salas, inclusive, as paredes ainda estão cobertas de damasco e os tectos conservam os ricos lustres de cristal.


A COLEÇÃO:

A colecção actual do museu inclui centenas de desenhos, gravuras e pinturas, muitos deles de extrema importância, como é o caso de O Casal Arnolfini, de Jan van Eyck e da A Virgem das Rochas, de Leonardo da Vinci.
A maior parte do acervo provém de aquisições estatais ou de doações relevantes. Grande parte provém da Europa Ocidental, existindo apenas alguns trabalhos oriundos do Leste europeu.


ALGUMAS OBRAS:


SÉCULO XV:

Cristo Glorificado na Corte Divina, Fra Angelico, 1423-1424
A bênção dominicana, Fra Angelico, 1423-1424
Os seguidores de Cristo, com Santos e Mártires ou Procissão a Cristo, Fra Angelico, 1423-1424
Virgem Maria com os Apóstolos e outros Santos e representantes da Ordem Franciscana, Fra Angelico, 1423-1424
O Cardeal Bessarion e mais dois membros da Escola da Caridade, orando em frente do Relicário de Bessarion, Gentille Bellini, 1423-1424
Virgem e Criança com santos e anjos músicos, cerca de 1425-1432
A visão do hábito dominicano, Fra Angelico, 1430-1440
Uma mulher, Robert Campin, 1435
Retrato de um homem, Jan van Eyck, 1435
O Casal Arnolfini, Jan van Eyck, 1439
A Anunciação e os sete Santos, Fra Filippo Lippi, 1450-1453
A Virgem e o Menino, Dirck Bouts, 1465
Cristo dando a Bênção, Antonello da Messina, 1465
São Miguel triunfando sobre o demónio, Bartolomé Bermejo, 1468
Retrato de um homem, Antonello da Messina, 1475
São Jerónimo no seu estúdio, Antonello da Messina, 1475
Adoração dos Reis Magos, Sandro Botticelli, 1470-1475
São Francisco de Assiz com os Anjos, Sandro Botticelli, 1475-1480
Marte e Vénus, Sandro Botticelli, cerca de 1483
Cristo com coroa de espinhos, Hieronymus Bosch, 1490-1500
A Virgem dos Rochedos, Leonardo da Vinci, 1491-1508
São Jerónimo, Albrecht Dürer, 1495
O pai do artista, Albrecht Dürer, 1497
A Virgem com o Menino e Santa Ana e São João Baptista]], Leonardo da Vinci, 1499-1500
Os três milagres de São Zenóbio, Sandro Botticelli, 1500


SÉCULO XVI:

Madonna com criança, Albrecht Dürer, 1500-1510
São Jerónimo numa Paisagem, Gerard David, 1501
Maria Madalena de vermelho numa paisagem idílica, orando perante o anjo, Adriaen Ysenbrandt, 1510
A Virgem adorando o Menino com José de vermelho, numa paisagem idílica, Fra Bartolomeo, antes de 1511
A Trindade e a Mística Pietá, Baldung Grien, 1512
Retrato de um homem, Baldung Grien, 1514
A Virgem e o Menino, Jan Mabuse, 1615-1620
Paisagem com ponte pedestre, Albrecht Altdorfer, cerca de 1518-1520
Cristo dando a bênção à sua Mãe, Albrecht Altdorfer, provavelmente 1520
Retrato de uma jovem, Jan Mabuse, cerca de 1520
Adão e Eva, Jan Mabuse, cerca de 1520
Retrato do Erasmo de Roterdão, Hans Holbein, o Jovem, 1523
Damião de Goes, Jan Mabuse, 1530-1532
Retrato de Jean de Dinteville e Georges de Selve e Os embaixadores, Hans Holbein, o Jovem

1533
Retrato de Cristiana da Dinamarca, Hans Holbein, o Jovem, 1538
Retrato de um homem, Martin von Heemskerk, cerca de 1540
Retrato de uma mulher, Martin von Heemskerk, cerca de 1540
A Virgem e o São João Evangelista, Martin von Heemskerk, cerca de 1540
O Bom Samaritano, Bassano, 1550-1570
Retrato de uma jovem senhora, Paris Bordone, cerca de 1450
A Purificação no Templo, Bassano, 1580
A surpresa dos Deuses, Hans von Aachen, década de 90
São Jerónimo como Cardeal, El Greco, 1590-1600
Marsyas e Olympus, Annibale Carraci, 1597-1600


SÉCULO XVII:

As três Marias, Aniballe Carraci, cerca de 1604
Descanso na Fuga para o Egipto, Francesco Albani, 1609-1610
Diana e Callisto, Paul Bril, década de 20
Homem com um crânio ou Vanitas, Frans Hals, 1626-1628
Festa à mesa, Dirk Hals, 1626
Retrato do Cardeal Richelieu, Philippe de Champaigne, 1633-1640
O sonho de São José, Philippe de Champaigne, cerca de 1636
Retrato de uma jovem mulher, Gerrit Dou, provavelmente 1640. Esta pintura é uma das melhores de Gerrit Dou, executada com pormenores meticulosos, elegantemente espalhados pela tela; obra-prima inquestionável do seiscento.
Triplo-retrato do Cardeal Richelieu, Philippe de Champaigne, provavelmente 1642
Retrato de jovem rapariga vestida de azul com uma pena de avestruz, Bartholomeus van der Helst, 1645
Retrato de família numa paisagem, Frans Hals, 1647-1650
A caverna da Eternidade, Luca Giordano, cerca de 1680
O jovem astrónomo, Olivier van Deuren, cerca de 1685
O Martírio de São Januário, Luca Giordano, 1690
Uma homenagem a Veláquez, Luca Giordano, entre 1692 e 1700
Santo António de Pádua, Luca Giordano, cerca de 1700
Vénus olhando-se ao Espelho, Diego Velázque


SÉCULO XVIII:

Veneza: Vista sobre o Palácio Doge, Canaletto, década de 30
A urna de água, Jean-Baptiste-Siméon Chardin, 1733
A jovem professora, Jean-Baptiste-Siméon Chardin, 1735-1736
Vista sobre o Grande Canal com San Simeone Piccollo, Canaletto, 1738
Veneza: Entrada do Grande Canal, com vista para a Igreja de Santa Croce, Bernardo Bellotto, 1740
A Regatta no Grande Canal, Canaletto, 1740
Retrato de Mademoiselle de Coislin, Louis Tocqué, 1750-1759
Mister and Mistress Andrews, Thomas Gainsborough, cerca de 1750
Retrato do embaixador veneziano Andrea Tron, Nazario Nazari, cerca de 1750
Psyché mostrando às irmãs os presentes do cupído, Jean-Honoré Fragonard, 1753
Londres: Interior da Rotunda em Ranelagh, Canaletto, 1754
Paisagem com moinho, François Boucher, 1755
Veneza: Palazzo Grimani, Canaletto, 1756-1768
Retrato do Conde de Vaudreuil, François-Hubert Drouais, 1758
Retrato das filhas do artista com um gato, Thomas Gainsborough, cerca de 1760-1761
Retrato de Madame Pompadour, François-Hubert Drouais, 1763-1764
Retrato de um homem, Jean-Baptiste Greuze, 1763
Retrato do Dr. Ralph Schomberg, Thomas Gainsborough, cerca de 1770
O passeio matinal, Thomas Gainsborough, 1785
Retrato da Rainha Carlota de Inglaterra, Thomas awrence, 1789
Um piquenique, Francisco Goya, 1785-1790
Flores num vaso, Paulus Theodorus van Brussel, 1892
Retrato de Jacobus Blauw, Jacques-Louis David, 1795
Don Andrés del Peral, Francisco Goya, 1798


SÉCULO XIV:

Doña Isabel de Porcel vestida de maja, Francisco Goya, 1805
Paisagem invernal, Caspar David Friedrich, provavelmente 1811
Retrato do Duque de Wellington, Francisco Goya, 1812-1814
Rua com uma cabana, Jan Cornelis Haccou, 1819
Abel Widmer, Eugène Delacroix, cerca de 1824
Convento capuchinho em Amalfi, Carl Blechen, cerca de 1829
A execução de Jane Grey, Paul Delaroche, 1833
Retrato do Duque d' Orléans, Jen-Auguste-Dominique Ingres, ano sucessor a 1842
Suazana no banho ou O banho de Suzana, Francesco Hayez, 1850
Cristo na cruz, Eugène Delacroix, 1853
O Lago de Thun, Alexandre Calame, 1854
O treino dos cavalos, no mercado de cavalos de Paris, Rosa Bonheur, 1855
Dom Quixote e Sancho Pança, Honoré Daumier, cerca de 1855
Retrato de Mademe de Miotessier, Jean-Auguste-Dominique Ingres, 1856
Auto-retrato, Henri Fantin-Latour, 1860
Cena de praia em Trouville, Eugène Boudin, 1960-1870
Um Prato de maçãs, Henri Fantin-Latour, 1861
Festa nas Tulharias, Edouard Manet, 1862
O Julgamento de Páris, Henri Fantin-Latour, cerca de 1863
Retrato da Princesa Paulina de Metternich, Edgar Degas, 1865
Tarde nas Tulleries, Adolph Menzel, 1867
O toureiro acenando, Marià Fortuny i Marsal, provavelmente 1869
Cena de Praia, Edgar Degas, 1869-1870
Eva Gonzalès, Edouard Manet, 1870
No Café Châteaudun, Edgar Dega, 1869-1871
Cabeça de Mulher, Edgar Degas, 1874
Mr. e Mrs. Edwin Edwards, Henri Fantin-Latour, 1875
Carlo Pellegrini, Edgar Degas, cerca de 1876-1877
Miss La La actuando no Cirque Fernando, Edgar Degas, 1879
Retrato de uma Senhora, Raimundo de Madrazo e Garreta, 1885-1895
Dançarinas russas, Edgar Degas, 1889
Homem no seu banho, Gustave Caillebotte, 1884
Lavadeiras num riacho, Eugène Boudin, 1885-1890
O porto de Deauville, Eugène Boudin, 1888-1890
A praia em Tourgéville-les-Sablons, Eugène Boudin, 1893
Piquenique no jardim, Pierre Bonnard, cerca de 1891
Les Grandes Baigneuses, Paul Cézanne, 1894-1905
Velha com rosário nas mãos, Paul Cézanne, 1895-1896
Penteando o cabelo (La Coiffure), Edgar Degas, cerca de 1896
Vaso de Flores, Paul Gauguin, 1896
Faa Iheihe, Paul Gauguin, 1898
O Guitarrista, Paul Gauguin, cerca de 1900


SÉCULO XX:


Retrato de Hermine Gallia, Gustav Klimt, 1904
Retrato de Greta Moll, Henri Matisse, 1908

Nenhum comentário: